Emprego

Nova fórmula de cálculo de multa por óbice a fiscalização é publicada


Designed by Freepik
Designed by Freepik

A nova metodologia de cálculo para aplicação das sanções de multa em casos de óbice à atividade de fiscalização da Anatel, foi publicada nesta quinta-feira, 19. A metodologia proposta resulta do cruzamento de três parâmetros, como porte do infrator (Grupo)  determina a capacidade econômica da infratora, que é medida conforme sua Receita Operacional Líquida (ROL) anual. Cada faixa de ROL corresponde a um Grupo, ao qual são atribuídos valores predefinidos de multa, variáveis conforme os demais parâmetros.  

E ainda o Atendimento à Fiscalização (Atd) – fator definido pela razão entre a quantidade de informações respondidas e o total de informações solicitadas pela fiscalização. E a Abrangência da Fiscalização (Abr) – reflete o alcance da fiscalização em razão da área de prestação de serviço da infratora. 

PUBLICIDADE

Recentemente a Anatel aprovou o Regulamento de Fiscalização Regulatória, por meio da Resolução nº 746, de 22 de junho de 2021, introduzindo, no âmbito da agência, regramento geral de regulação responsiva e trazendo normas para o novo processo de acompanhamento e controle da Agência. Nesse Regulamento, foi dedicada uma Seção específica à “obstrução de fiscalização”, a fim de disciplinar a questão, trazendo um novo rito a ser seguido, bem como as medidas incidentes a esta infração.  

Veja aqui a integra do regulamento publicado hoje. 

Aprovação

“A nova Resolução n.° 40/2021 da Anatel vem ao encontro da necessidade do regulador cumprir com determinação do Regulamento para Aplicação de Sanções Administrativas (Rasa), quanto à adequação da metodologia de cálculo de multa em caso de óbice, pela operadora, à atividade de fiscalização regulatória, infração essa de natureza grave”, diz a advogada Cristiane Sanches, que compõe o Conselho Consultivo da Anatel e é sócia da área de TMT, Privacidade & Proteção de Dados do Maneira Advogados.

Ela conta que o tema já vinha sendo objeto de discussões desde 2014 e que, através da Consulta Pública nº 11, de 26/06/2015, a regulamentação ganhou mais transparência quanto às formas possíveis de se obstaculizar a fiscalização da Agência. “Há a obstrução em fiscalizações técnicas, quando a prestadora impede o acesso dos agentes às suas estações de telecomunicações ou radiodifusão; e a obstrução nas fiscalizações não técnicas, quando a prestadora não fornece informações ou o faz de maneira diversa da requerida pela Anatel.”

Segundo Sanches, “embora nem todas as contribuições das prestadoras tenham sido aceitas pela Agência, não se pode negar que a Anatel se esforçou no sentido de elaborar uma nova metodologia capaz de englobar o maior número de cenários possíveis de óbice, trazendo mais proporcionalidade às operações de fiscalização”.

A advogada também diz que a Anatel aumentou o valor máximo da sanção de R$ 5 milhões para R$ 10 milhões, em razão da tendência de centralização de fiscalizações, que busca fiscalizar mais itens de uma mesma prestadora, englobando, inclusive, mais de um serviço outorgado ou concedido.

“Restando configurado o óbice à fiscalização, a operadora fica sujeita a multiplicação do valor base da multa por irregularidade técnica por ’10’. Embora essa tendência de centralização de fiscalização facilite o direito de defesa da prestadora, por outro lado a nova Resolução aumenta os valores de multas especialmente do Grupo I, categoria que enquadra as grandes prestadoras, com ROL acima de dois bilhões de reais”, conclui.



Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button